Menu
X

Tags Archives: rondônia

Imagem
1 ano ago Notícias

Para especialista, escalada dos custos em saúde coloca em risco a sustentabilidade do setor

Medicina Baseada em Valor é uma das propostas mais promissoras para transformar o setor e gerar valor para o paciente

Um modelo de remuneração inadequado e o aumento dos custos assistenciais fazem parte do atual cenário da saúde, colocando em risco a sustentabilidade do setor. Mas quais são as alternativas para impedir o colapso do sistema? É sobre isso que Márcia Makdisse, médica e especialista em Medicina Baseada em Valor (Value-Based Health Care), vai falar durante o 22º Congresso Internacional UNIDAS, que acontece entre os dias 23 e 25 de outubro, em Atibaia (SP).

Para Márcia, a Medicina Baseada em Valor é uma das propostas mais promissoras para transformar o sistema atual, que remunera por serviço executado (fee-for-service), em um sistema que remunera por resultados obtidos, gerando valor para o paciente. “Em um sistema de saúde baseado em valor as empresas passariam a contratar serviços com base em resultados e os prestadores a competir também com base em resultados”, acrescenta.

A especialista pretende trazer reflexões sobre quais são os elementos da Agenda de Valor e estratégias para implementação no Brasil: “É necessário considerar o contexto do sistema de saúde brasileiro. O que funciona na Suécia, por exemplo, pode não ser aplicável no nosso país. Essas iniciativas precisam de um esforço dos diferentes públicos de interesse dispostos a co-criar novos modelos de atenção e remuneração e compartilhar o risco”.

Para Márcia, entre os principais desafios para implementar um sistema baseado em valor, estão a necessidade de estabelecer um ambiente de parceria e confiança entre os públicos de interesse; a concordância dos players na definição do que é valor para o paciente e o papel de cada um na geração de valor; a disponibilidade de uma plataforma de informações básicas, como desfechos, custos e coordenação de cuidado; a co-criação do processo assistencial; e a elaboração de novos modelos de remuneração que atrele o reembolso ao resultado clínico.

Sobre a UNIDAS

A UNIDAS – União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde é uma entidade associativa sem fins lucrativos, representante das operadoras de autogestão do Brasil. A autogestão em saúde é o segmento da saúde suplementar em que a própria instituição é a responsável pela administração do plano de assistência à saúde oferecido aos seus empregados, servidores ou associados e respectivos dependentes. É administrado pela área de Recursos Humanos das empresas ou por meio de uma Fundação, Associação ou Caixa de Assistência – e não tem fins lucrativos. Atualmente, a UNIDAS congrega cerca de 120 operadoras de autogestão responsáveis por prestar assistência a quase 5 milhões de beneficiários, que correspondem a 11% do total de vidas do setor de saúde suplementar. É entidade acreditadora chancelada pelo QUALISS, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), por meio do programa UNIPLUS.

Fonte: Saúde Bunises

Imagem
1 ano ago Notícias

Mais Médicos para o Brasil: publicados nomes e locais de trabalho

A lista com os nomes e registros de médicos intercambistas do Projeto Mais Médicos para o Brasil está publicada na edição desta terça-feira (8) do Diário Oficial da União.

De acordo com a Portaria nº 28, de 7 de outubro de 2019, da Secretaria de Atenção Primária à Saúde, fica concedido registro único para o exercício da medicina, no âmbito do Projeto Mais Médicos para o Brasil, aos médicos intercambistas.

A portaria determina também a expedição das carteiras de identificação de todos que atenderam os requisitos legais para as atividades do projeto previstas no projeto. O documento informa ainda o local onde o médico vai trabalhar.

De acordo com o Ministério da Saúde, o projeto é parte do esforço do governo federal, com apoio de estados e municípios, para “a melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Além de levar mais médicos para regiões onde há escassez ou ausência desses profissionais, o programa prevê, ainda, mais investimentos para construção, reforma e ampliação de Unidades Básicas de Saúde (UBS), além de novas vagas de graduação, e residência médica para qualificar a formação desses profissionais”.

Segundo a pasta, o Mais Médicos para o Brasil se soma a um conjunto de ações e iniciativas do governo objetivando o fortalecimento da Atenção Básica do país.

Fonte: Agência Brasil

Imagem
1 ano ago Notícias

Já ouviu falar em UX? Saiba como esse conceito da tecnologia auxilia no dia a dia médico

Uma das principais reclamações dos pacientes gira em torno da experiência que eles têm nos consultórios. Muitos sofrem com dores e problemas de saúde e, mesmo assim, precisam lidar com uma estrutura altamente burocratizada, que os fazem preencher e assinar papéis e guias de convênios, esperar longo tempo na recepção para, no fim, ser atendido em poucos minutos por médicos que sequer olham para o histórico médico. Para resolver esta situação, os profissionais e instituições de saúde começam a apostar em um novo conceito: a experiência do usuário (UX).

O termo é proveniente da tecnologia e começou a ganhar forma a partir dos anos 1990. De forma resumida, diz respeito ao desenvolvimento de produtos e serviços que oferecem a melhora experiência possível às pessoas, ou seja, que entreguem valor de forma rápido, eficiente e sem qualquer problema. É algo que ocupa o topo das prioridades para 80% dos profissionais de tecnologia de hospitais e clínicas, de acordo com pesquisa realizada pelo Impact Advisors Scottsdale Institute.

No caso da medicina, a experiência do usuário (UX) refere-se à capacidade do médico e do consultório de oferecer o melhor tratamento, respeitando as necessidades do paciente e, principalmente, utilizando os melhores recursos disponíveis. Hoje, mais do que ser atendido rapidamente, a pessoa quer ter a certeza de que a consulta vai ser produtiva, isto é, capaz de oferecer uma solução para as dores e/ou problemas que enfrenta. Não há nada mais frustrante do que esperar semanas pelo atendimento e continuar sofrendo porque o profissional foi incapaz de fazer um diagnóstico preciso – ainda que tenha diversos recursos tecnológicos à disposição para este fim.

Hoje, paciente satisfeito não é aquele que está curado de seus problemas, mas sim quem foi bem atendido ao longo de sua jornada dentro do consultório. A grande maioria do setor ainda insiste em um modelo de gestão que privilegia o mínimo contato entre médico e pessoa e que não agiliza processos burocráticos, como o cadastro. A forma como o usuário avalia produtos e serviços mudou radicalmente nas últimas duas décadas e a opinião deles nas mídias digitais pode determinar o sucesso, ou o fracasso de uma organização, inclusive na medicina. É preciso garantir que todos os procedimentos levem em conta os desejos desses “consumidores”.

Não é uma tarefa fácil, mas já recursos disponíveis que auxiliam os médicos a melhorarem a experiência dos pacientes no dia a dia de seu consultório. O mais importante deles é o prontuário eletrônico por conseguir centralizar todas as informações essenciais para a gestão do local, como histórico médico, receituário, dados cadastrais, recibos fiscais, entre outros. Com eles, é possível cruzar análises e realizar, enfim, uma consulta mais prática e eficiente, reduzindo o tempo de espera na recepção e sem ter que repetir perguntas sobre o quadro clínico do paciente. Em suma, ele pode focar naquilo que se preparou em sua formação: cuidar e melhorar a vida de seus pacientes.

Quando falamos de tecnologia na área médica, normalmente associamos aos equipamentos que aprimoram e facilitam cirurgias complicadas. Entretanto, essa relação vai muito além disso. Os recursos tecnológicos, dos mais complexos aos mais simples, só cumprem seu propósito se conseguem melhorar a qualidade de vida dos pacientes. O primeiro passo para isso é garantir que a experiência do usuário (UX) sempre seja a melhor possível para que ele se sinta amparado em um importante momento de sua vida.

Imagem
1 ano ago Notícias

O que torna o infarto mais letal em pessoas jovens

A morte do filho do ex-jogador de futebol Cafu por infarto lançou luz sobre um problema de saúde que afeta milhares de brasileiros abaixo de 40 anos, mas ainda é pouco discutido.

Danilo Feliciano de Moraes, filho mais velho do lateral-direito pentacampeão mundial, morreu na quarta-feira (04/09), aos 30 anos, após sofrer um ataque cardíaco enquanto jogava futebol na casa da família, em Barueri, região metropolitana de São Paulo. Amigos tentaram reanimá-lo, sem sucesso.

Isso porque, apesar de terem normalmente mais força física que os mais velhos para suportar o infarto, os mais jovens não tem uma proteção chamada “circulação colateral”, como explica à BBC News Brasil o cardiologista Glauber Fabião Signorini, diretor técnico do Instituto de Cardiologia – Fundação Universitária de Cardiologia (IC-FUC).

“Chamamos de circulação colateral os pequenos vasos sanguíneos que surgem no coração para compensar a falta de irrigação causada por uma artéria entupida. Os mais jovens não têm esse tipo de proteção, portanto, o infarto tende a ser mais letal nessa faixa etária”, explica.

Segundo o Ministério da Saúde, dos 56.399 brasileiros que morreram por causa de infarto agudo do miocárdio em 2017 (últimos dados disponíveis), 95,6% tinham mais de 40 anos.

Por outro lado, entre aqueles com menos de 40 anos, a faixa entre 30 e 39 anos concentrou a maior parte dos casos (1.831).

Segundo Signorini, estima-se que 10% das vítimas morram na primeira hora após o infarto, portanto, essa proteção adicional é valiosa.

O especialista diz ainda que 93% dos casos de morte súbita – que ocorre nas primeiras 24 horas após um sintoma – são resultado de doenças isquêmicas agudas.

Dores ou desconfortos no peito são os principais sintomas. Falta de ar, suor, dor nos dentes e palidez também devem ser observados.

“A obstrução de um vaso impede a irrigação de sangue para a artéria, causando a necrose do músculo cardíaco e gerando instabilidade elétrica, o que pode facilitar a arritmia cardíaca (quando o batimento do coração se torna irregular)”, explica.

Nesse caso, segundo ele, o tratamento, como manobras de ressuscitação, tem que ser realizado em uma janela de tempo de até, no máximo, oito minutos.

Signorini ressalva, contudo, que nem sempre os infartos são causados por obstrução de vasos que irrigam o coração.
“A vítima também pode ter algum problema que desconheça com alguma válvula cardíaca, por exemplo”, acrescenta.

Prevenção

Signorini lembra ainda que o histórico familiar é um “importante fator de risco para infartos”.

“Quem tem pai ou mãe que sofreu infarto, especialmente com menos de 55 anos, deve começar o acompanhamento médico com um cardiologista a partir dos 30 anos”, recomenda.

Neste sentido, ele também chama atenção para a falta de prevenção no Brasil.

“A prevenção é muito baixa aqui, cerca de 2% a 4%. Enquanto isso, esse índice chega a mais de 50% em alguns países desenvolvidos.”

Outros fatores de risco para o infarto, segundo Signorini, são obesidade, falta de atividade físiica, tabagismo, estresse, diabetes e distúrbios do sangue.

Doenças genéticas, como a cardiomiopatia hipertrófica, também devem ser levadas em conta.

A cardiomiopatia hipertrófica atinge uma em cada 500 pessoas e causa o crescimento das células musculares do coração. As paredes do órgão ficam mais grossas, o que prejudica o fluxo sanguíneo e dificulta o bombeamento do sangue.

Sendo assim, a doença pode causar palpitações e arritmias, o que pode levar à morte durante exercícios físicos. Muitas vezes, o paciente é assintomático e desconhece que tem o problema, o que pode agravar o quadro
Usuários de drogas, especialmente as vasoconstritoras, como MDMA e cocaína, também têm mais chances de sofrer infartos, acrescenta Signorini.

Fonte: Portal R7

Imagem
2 anos ago Notícias

Tecnologia brasileira para diagnosticar câncer é adotada em 50 países

Uma ferramenta para diagnósticos de leucemias e linfomas, hoje, utilizada em mais de 50 países, incluindo três mil laboratórios, através de um software conhecido como Infinicyt, tem também tecnologia brasileira. O software é distribuído por uma empresa espanhola e a modelagem matemática no processamento de dados é uma parceria de grupo da Coppe/UFRJ, Universidade de Salamanca e o consórcio EuroFlow. Os resultados renderam artigos publicados e patentes.

O EuroFlow é um consórcio que inclui 12 universidades, 11 europeias e mais a UFRJ. O responsável pelo software é o engenheiro e pesquisador da Coppe, Carlos Eduardo Pedreira, que contou com a parceria da médica Elaine Sobral da Costa, do Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira, ambos da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Ele conta que foi desafiado pelos parceiros do consórcio a criar modelos matemáticos para aplicação em diagnóstico de câncer através do uso da citometria de fluxo – um equipamento há muito utilizado e que permite aplicações clínicas e de pesquisa tanto para o diagnóstico como prognóstico de doenças, de forma mais precisa. Daí, o projeto de mineração de dados em saúde surgiu e possibilitou, além do depósito de patentes, diagnósticos rápidos e precisos para leucemias e linfomas e, mais recente, para tumores sólidos, além de informações úteis sobre a resposta dos pacientes ao tratamento e o avanço da doença.

Antes da concepção desses modelos matemáticos, os diagnósticos por citometria eram muito dependentes de se ter um excelente especialista, analisando os resultados. Com o modelo matemático, a medicina diagnóstica oferece resultados muito mais confiáveis e menos dependente do especialista.

No Brasil, a tecnologia foi aplicada inicialmente no tratamento de crianças atendidas no hospital pediátrico da UFRJ e, em seguida, nos hospitais da Lagoa, da Criança e Servidores do Estado, todos no Rio de Janeiro, e nas universidades federais da Bahia, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul e no Hospital Amaral de Carvalho, em Jaú, São Paulo.

A inteligência artificial aplicada neste projeto contribuiu também para a classificação dos diversos tipos de tumores sólidos. “Temos mais de 350 casos de tumores sólidos estudados por citometria, e o grande impacto do trabalho é diminuir o tempo de espera pelo diagnóstico. Os resultados de alguns exames demoravam até 15 dias, enquanto a citometria dá o resultado em algumas horas, explica Pedreira. No caso dos cânceres hematológicos, o grupo já fez mais de três mil exames em crianças, no Rio de Janeiro, cujos resultados dão suporte à formulação de novos modelos matemáticos.

O projeto conta com recursos da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj) desde 2005, o que possibilitou, entre outros apoios, a compra do citometro de fluxo – instrumento essencial no diagnóstico de linfomas e leucemias. A aquisição possibilitou que as crianças tratadas em hospitais públicos no Rio de Janeiro tivessem o que há de mais moderno no mundo em diagnostico de leucemias. O uso dos citômetros modernos contribuiu para o aumento de forma exponencial da capacidade de gerar dados e podem ainda ser usados para diagnóstico e prognóstico. “O desafio é transformar informação em conhecimento útil”, afirma Pedreira. Segundo ele, no Brasil não existe nenhum grupo que esteja pesquisando análise de dados de citometria, visando construir novos modelos matemáticos e computacionais para fins de diagnósticos.

Fonte: Saúde Business

Imagem
2 anos ago Notícias

Na reta final da campanha contra Influenza, Prefeitura promove mais um ‘Dia D’ neste sábado

A campanha nacional de vacinação contra a Influenza, que começou no dia 10 de abril, entrou na reta final nessa semana. A meta definida pelo Ministério da Saúde para a campanha foi vacinar este ano, 90% da população dos grupos considerados prioritários, algo em torno de 60 milhões de pessoas em todo o país.

Cuiabá abrangeu até o momento, apenas 65,59% das 175.353 pessoas consideradas da faixa de risco. Por isso, neste sábado (01), realiza mais um ‘DIA D’ com o objetivo de reverter à situação de baixa procura, que está ocorrendo em todo o país, segundo o Ministério.

De acordo com o secretário-adjunto em Assistência à Saúde, Luiz Gustavo Raboni, apenas os idosos atingiram a meta preconizada neste ano. No total, compareceram 41.258 do total de 45.649 idosos, o que corresponde a 90,38%. Conforme ele, todos os demais públicos tidos como de risco e prioritário registraram baixa procura, por isso, alertou à população para comparecer no sábado para se proteger dessa perigosa doença.

“A influenza é uma doença respiratória infecciosa, de origem viral, que na forma grave pode levar a óbito indivíduos que apresentem fatores ou condições de risco. Pela gravidade, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) tem realizado diversas estratégias para atingir o público alvo e o ‘Dia D’ é um importante espaço para que a população aderir à vacinação. Por isso, estamos convocando àqueles que não conseguirem comparecer nessa última semana aos postos de Saúde, que venham no sábado para nos ajudar a aumentar a barreira imunológica dessa doença terrível”, frisou o secretário.

Outra estratégia que será enfatizada nesta semana, conforme a responsável técnica de imunização de Atenção Básica, Sandra Horn são as ações conhecidas como ‘extramuros’.

“Nossas equipes de imunização estão percorrendo locais de grande concentração como escolas, hospitais e repartições públicas para aplicar as doses nos públicos alvos. Nesta última semana, vamos intensificar para imunizarmos o máximo de pessoas possíveis. Muita gente tem deixado de ir aos postos no Brasil, mas estamos trabalhando para mudar essa realidade na Capital, por isso conclamamos a população tida como prioritária, que vá aos postos e nos ajudem a sair desse índice que está nacionalmente negativo”, reforçou.

Os grupos prioritários para vacinação contra a Influenza são os trabalhadores da saúde e professores das redes pública e privada, as crianças na faixa etária de seis (06) meses a cinco anos, gestantes em qualquer idade gestacional, puérperas até 45 dias após o parto e indivíduos com 60 anos ou mais de idade.

Também fazem parte dos grupos considerados prioritários os adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medida socioeducativa, a população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional, as pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, independente da idade, e os povos indígenas, além dos servidores do sistema de segurança pública – inseridos este ano.

 

Em toda a cidade estão funcionando 64 salas de vacina, mais três salas na zona rural, em Nossa Senhora da Guia, Rio dos  Peixes – que reúne as comunidades do Coxipó do Ouro e Barreiro Branco -, e Aguaçu.

Saiba mais

Clinicamente, a influenza inicia-se com a instalação abrupta de febre alta, em geral acima de 38°C, seguida de mialgia, dor de garganta, prostração, cefaleia e tosse seca. A febre é, sem dúvida, o sintoma mais importante. Em casos agravados pode levar a morte.

A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias das pessoas contaminadas, ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos que após contato com superfícies recém-contaminadas podem levar o agente infecciosos direto a boca, olhos e nariz.

A doença pode ser causada pelos vírus influenza A, B e C. Os vírus A e B apresentam maior importância clínica. Estima-se que, em média, as cepas A causem 75% das infecções, mas, em algumas temporadas, ocorre o predomínio das cepas B. Este ano a vacina combate as cepas A e B.

 

Fonte: Prefeitura de Cuiabá

Imagem
2 anos ago Notícias

Ministério da Saúde considera prorrogar campanha de vacinação da gripe até 15 de junho em todo território nacional

Cronograma inicial termina em 31 de maio, mas meta ainda está longe de ser alcançada; no Rio de Janeiro o prazo já havia sido extendido

BRASÍLIA — O Ministério da Saúde pode prorrogar até 15 de junho a campanha de vacinação da gripe, que está programada para acabar em 31 de maio. O ministro Luiz Henrique Mandetta se encontrou na tarde desta terça-feira com o presidente Jair Bolsonaro para falar do assunto. Segundo o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, a data foi apresentada por Mandetta durante a reunião. Mas, de acordo com o Ministério da Saúde, o martelo ainda não foi batido.

— (A data) Foi apresentada pelo ministro ao presidente. Se eventualmente houve alguma modificação, nós avisaremos — disse Rêgo Barros.

De acordo com o último balanço do Ministério da Saúde, divulgado na segunda-feira, 16,8 milhões de pessoas ainda não se vacinaram contra a gripe. Isso significa que apenas 71,6% do público-alvo de 59,4 mihões foi imunizado. A meta é vacinar 90%. No Estado do Rio, a campanha já foi prorrogada até 15 de junho .

 

Fonte: Anahp

Imagem
2 anos ago Notícias

Doença de Parkinson pode atingir adultos jovens e até adolescentes

ima

Mais rara, a Doença de Parkinson precoce pode ter diagnóstico difícil, mas tratamento mais amplo.

A Doença de Parkinson é um distúrbio neurodegenerativo progressivo, incurável. Em geral, a doença acomete pacientes acima de 60 anos, mas pode ocorrer mais precocemente e surgir antes dos 21 anos de idade.

Mais de 200 mil pessoas possuem Doença de Parkinson em todo o Brasil, de acordo com estimativas da Organização Mundial da Saúde. Os sintomas da doença ocorrem devido a perda gradual de neurônios produtores de dopamina no mesencéfalo, uma região bem específica do cérebro, que leva a lentidão do movimento, associado a tremor de repouso ou rigidez. Quando esses sintomas surgem antes dos 40 anos, chamamos de Doença de Parkinson precoce.

Dr. Gustavo Franklin, neurologista do Hospital de Clínicas do Paraná, explica que a Doença de Parkinson precoce “possui um caráter hereditário mais acentuado do que na Doença de Parkinson ‘clássica’, de modo que os familiares têm maior chance de adquirir.” O especialista também alerta para a importância do diagnóstico precoce. “Como não é comum, é frequente o paciente demorar muito tempo para ser corretamente diagnosticado”.

Embora o tremor seja o sintoma mais marcante, o indicativo principal é a lentidão do movimento, que é chamada de bradicinesia. Muito além dos sinais relacionados ao movimento, existem sintomas chamados “não-motores”, que envolvem todo o corpo do paciente e incluem constipação, transtornos de humor como ansiedade e depressão, distúrbios do sono, alteração do olfato, apatia, e muitos outros.
Os sintomas na Doença de Parkinson precoce são os mesmos que acontecem na manifestação tardia da doença, a diferença fundamental é, de fato, o início do aparecimento. Como se inicia mais cedo, as complicações são percebidas anteriormente.
“Os pacientes mais jovens tendem a possuir menos efeitos colaterais dos medicamentos, abrindo uma gama maior de alternativas ao tratamento. Além disso, a cirurgia de DBS (Deep Brain Stimulation) é contraindicada para pacientes mais velhos (em geral, acima de 70 anos), assim o paciente mais jovem tem maior chance de se beneficiar da cirurgia”, explica. De acordo com o neurologista, a operação melhora significativamente os sintomas motores e, junto a um tratamento multidisciplinar, com fisioterapia, terapia ocupacional e psicologia é capaz de oferecer uma independência e qualidade de vida ao paciente.

Embora ainda não tenha cura, há diversos tratamentos específicos. Dr. Gustavo explica que cada vez mais medicamentos estão surgindo e, por ser muito prevalente, os avanços na medicina são promissores. “Novos tratamentos surgem todo ano e hoje o paciente com Parkinson pode ter uma vida com poucas limitações”, finaliza.

 

Fonte: Anaho

Encontre-nos
Webmail

© Copyright 2019 Sindessero. Todos os Direitos Reservados.